sábado, 21 de abril de 2018

GUIA DA SÉRIE D: CONFIRA OS CAMINHOS DA JACUIPENSE, FLU DE FEIRA E ECPP-VITÓRIA DA CONQUIDTA



A partir destedomingo (22), Jacuipense, Fluminense de Feira e Vitória da Conquista iniciam a disputa da Série D do Campeonato Brasileiro. Os três clubes sonham em repetir o sucesso da Juazeirense no ano passado que garantiu o acesso à Série C.   Pelo regulamento da competição deste ano, os líderes de cada um dos 17 grupos, mais os 15 melhores segundos colocados, avançam para a próxima fase. Daí em diante, os confrontos acontecem no sistema de mata-mata e os quatro semifinalistas da competição conquistam as vagas na Série C do ano que vem.   Grupo A7 (Jacuipense, ASA-AL, Central-PE e Sergipe-SE) Time base do Jacuipense: Jordan; Paulinho, Matheus, Lídio e Vicente; Uelliton, Daniel Alves e Eudair; Thiaguinho, Edson e Birungueta.   O Jacuipense está de volta à Série D do Campeonato Brasileiro. A última participação do time foi em 2014. Naquele ano, o clube fez boa campanha, sendo eliminado nas oitavas de final, após superar a fase de grupos e o hexagonal da segunda fase, ambas no sistema de pontos corridos.   Para a edição deste ano do campeonato, o Jacuipense manteve a base do time que disputou o Campeonato Baiano, inclusive o volante Uelliton, revelado pelo Vitória e com passagem por times como Cruzeiro e Bahia. Apenas Danilo Rios e Brasão foram liberados. O início ruim no estadual resultou numa campanha mediana, sem conseguir entrar no G-4. Nos quatro primeiros jogos, o Leão do Sisal perdeu três e empatou um. O time terminou o campeonato na sexta colocação com 10 pontos, acumulando três vitórias, um empate e cinco derrotas.   “A gente demorou para se encontrar. Mas da metade para o final, a gente encaixou. Na avaliação do todo, fizemos até uma campanha boa, porque conseguimos a vaga para a Série D do ano que vem”, avaliou o técnico Jonílson Veloso, que foi mantido no cargo após o estadual, em entrevista ao Bahia Notícias.   Sobre o grupo, o comandante espera por dificuldades, já que os adversários vêm de boas campanhas nos estaduais. O Sergipe foi campeão estadual, porém perdeu o técnico Elias Borges, na última terça-feira (17), que deixou o clube após receber proposta de outra equipe. O coordenador técnico Edmilson Silva assumiu o cargo na última quarta (18). Adversário do Leão do Sisal na estreia, o Central, recordista de participações na Série D, foi vice-campeão pernambucano. O time manteve Mauro Fernandes à frente da equipe após o estadual. O ASA ficou na terceira colocação do Alagoano e no início deste mês de abril contratou o técnico Carlos Rabello, que subiu com a Juazeirense no ano passado, para dirigir a equipe.   “É uma chave muito difícil, mas sabemos que no futebol não tem isso. Estamos fazendo uma preparação em cima das dificuldades do grupo. Mantivemos a base que disputou o Campeonato Baiano e por isso acreditamos que faremos uma boa campanha na Série D”, disse o comandante do Leão do Sisal. Uelliton é o capitão do Jacuipense | Foto: Elbert Souza/ Jacuipense Grupo A8 (Flu de Feira, Campinense-PB, Flamengo-PE e Murici- AL) Time base do Flu de Feira: Andrey; Edson, Ranieri, Eduardo e Roger; Rodolfo, Moreilândia e Diego Aragão; Jô, Levi e Alan.   No ano passado, o Fluminense de Feira caiu nas oitavas de final da Série D do Brasileiro, justamente para a Juazeirense, que acabou subindo de divisão. Neste ano, o time volta a sua terceira disputa consecutiva na competição novamente com o objetivo de subir para a Série C. “Nosso próximo passo é o acesso e ter a condição de planejar o ano de 2019 com o Campeonato Baiano e a Série C”, falou o presidente do Conselho Deliberativo do clube, José Francisco Pinto, o Zé Chico, em conversa com a reportagem do Bahia Notícias.   Apesar de ter ficado fora da semifinal do Campeonato Baiano, o clube manteve a base e contratou reforços pontuais para a Série D. A primeira contratação foi o goleiro Andrey, para ocupar o lugar de Deola, que passou por cirurgia no joelho e só deve retornar aos gramados no ano que vem. Depois chegaram os laterais João Carlos e Roger, o zagueiro Marcelão, o meia Jailson e o atacante Bambam.   Na primeira fase da competição nacional, o Touro do Sertão vai encarar o Campinense, Flamengo-PE e Murici. Apesar de considerar um grupo difícil, o técnico Evandro Guimarães acredita numa possível classificação da equipe. “Acho que podemos batalhar bastante com a possibilidade de classificação, mas não vai ser nada fácil. Vamos ter que trabalhar bastante para atingir os nossos objetivos dentro da competição”, disse ao BN. Observando o desempenho das equipes no estadual, o Flu de Feira não deverá ter muitos problemas. Tirando o Campinense, que foi finalista no Campeonato Paraibano, tanto Flamengo, em Pernambuco, quanto Murici, em Alagoas, brigaram até a última rodada para escapar do rebaixamento. Sob o comando do novo técnico, o chileno Javier Diaz, o Fla de Arcoverde só inscreveu 19 atletas. Destes, oito que fizeram parte do elenco do estadual e, do restante, a maioria são jovens vindos das categorias de base do Porto-PE. Outro que não teve tempo para se preparar foi o Murici. O clube alagoano montou um grupo de 29 jogadores que foram apresentados junto com a comissão técnica, liderada pelo técnico Edson Ferreira, na última quarta (18). Já o vice-campeão da Paraíba, Campinense, reforçou o time com nove contratações visando as disputas da Série D e da Pré-Copa do Nordeste, além de manter o comandante Ruy Scarpino. Elenco, comissão técnica e diretoria na reapresentação | Foto: Divulgação/ Flu de Feira Grupo A9 (Vitória da Conquista, Itabaiana-SE, Santa Rita-AL e Treze-PB) Time base do Vitória da Conquista: Fernando Henrique (Neto); Roni, Silvio, Correa e Diego Prates; Edmar e Kleber; Diego Souza, Dinda, Cacá e Tatu. “Arranhou bastante a marca da instituição. Nunca tivemos uma participação tão pífia”. Essas foram as palavras do presidente Ederlane Amorim, ao Bahia Notícias, sobre a campanha do Vitória da Conquista no Campeonato Baiano. O time terminou na penúltima colocação com apenas seis pontos conquistados, colecionando sete derrotas e duas vitórias em nove partidas. É neste cenário que o novo treinador do time Rodrigo Fonseca se encontra para iniciar a campanha na Série D do Campeonato Brasileiro e esquecer o pesadelo vivido no estadual.   “Estamos trabalhando, principalmente o lado psicológico e motivacional dos atletas, para que não venham sentir o que aconteceu no Campeonato Baiano. Temos que elevar o moral dos jogadores que estiveram aqui no Baiano, passando confiança e mostrando que o estadual passou, que está vindo uma Série D. É outra competição, outro formato”, afirmou, ao Bahia Notícias, o comandante que assumiu a equipe no dia 10 de abril. Rodrigo Fonseca teve 13 dias para conhecer e preparar o Bode | Foto: Luciana Flores   O time passou por uma reformulação no elenco por causa dos maus resultados e, principalmente, da queda logo no primeiro jogo da Copa do Brasil. A eliminação precoce gerou um prejuízo financeiro ao Vitória da Conquista, já que ficou sem a cota de participação da segunda fase do torneio, obrigando o presidente Ederlane Amorim a rever a política de contratações para adequar as despesas ao novo orçamento. Inclusive, um dos dispensados foi o atacante Flávio Caça-Rato, que chegou com as pompas de grande contratação no início de 2018.   No Grupo A9 da Série D, o Bode terá o Treze, Itabaiana e Santa Rita. “É um grupo muito equilibrado. Times como o Treze e o Itabaiana são tradicionais. Temos que estar preparados para qualquer situação para não sermos surpreendidos por esses adversários também”, avaliou Rodrigo Fonseca.   O Treze foi eliminado no Campeonato Paraibano na semifinal para o Botafogo, que acabou sendo campeão. O técnico Flávio Araújo ganhou dez reforços para a competição nacional substituindo outros dez que foram dispensados após o estadual. No entanto, o experiente Marcelinho Paraíba segue no elenco. Já o Itabaiana perdeu o título Sergipano para o Sergipe no detalhe. O adversário tinha a vantagem por ter feito melhor campanha ao longo da competição. Para a Série D, o time não teve muito tempo de preparação, já que o novo técnico, Washington Coração Valente, que dirigiu o Bode no início do Baiano, assumiu o comando na última terça-feira (17). O antigo treinador, Leandro Campos, não renovou contrato após o estadual. Rebaixado no Alagoano, o Santa Rita montou um elenco enxuto com 23 jogadores e manteve a aposta no técnico Elenilson Santos, comandante no estadual.

Fonte:www.rapazoi.com.br

PUBLICADP POR: JOÃO VITOR.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Blog do São José adverte, os comentários publicados nesta página são de inteira e exclusiva responsabilidade do Autor, e não expressa a opinião do Portal. Não aceitaremos, mensagens racistas, que incite o ódio gratuito ou poste spam. Lembrando que você pode ser denunciado por comentários que descumpra os requisitos da ordem pública.